shutterstock_243303529

Casos de microcefalia aumentam em Pernambuco

Os últimos meses têm trazido números preocupantes para as maternidades de Pernambuco. O estado já registrou mais de 140 casos de microcefalia só este ano. A média anterior não passava de 10 por ano. O Ministério da Saúde declarou estado de emergência em saúde pública e abriu uma investigação para apurar os motivos.

A anomalia se configura por um crânio menor do que o tamanho considerado adequado. Geralmente, a efemeridade vem associada de síndromes genéticas, problemas com álcool, drogas, catapora, rubéola ou citomegalovírus durante a gestação. O tratamento não oferece uma cura completa, mas pode ajudar a minimizar a aparência de deformidade e sequelas cerebrais.

O blog da Florence traz mais informações sobre os casos no nordeste e sobre aspectos médicos da anomalia:

Condição neurológica

A Microcefalia, como já dito, é uma condição onde a cabeça da pessoa é menor do que as de pessoas do mesmo sexo e idade. Geralmente, é descoberta logo nos primeiros meses de vida, mas pode aparecer ao longo da fase de crescimento da criança. Os principais problemas surgem por conta de complicações no desenvolvimento neurológico.

shutterstock_61919332

A doença é resultado do crescimento anormal do cérebro ainda no útero da mãe, ou ainda na infância. A identificação é da responsabilidade de clínicos gerais, pediatras e neurologistas. As principais causas desse acontecimento são:

  • Dificuldades na formação e desenvolvimento do sistema nervoso central
  • Álcool, produtos químicos e drogas
  • Toxoplasmose congênita
  • Desnutrição na gestação
  • Falta de oxigênio
  • Síndrome de Down, Síndrome de Edwards e Síndrome de Cornelia de Lange.

Os médicos fazem um check-up na maternidade logo após o nascimento do bebê, é nessa etapa que a condição é observada e informada à família.

 Tratamento, complicações e prognóstico

Não há medicamentos que possam trazer respostas físicas para o crescimento do crânio. Mas a fisioterapia e a terapia ocupacional são indicadas para melhorar as habilidades da criança e estimular o desenvolvimento cognitivo, visto que as principais complicações são o retardo mental, atraso na fala e funções motoras e alterações neurológicas.

É recomendado que as famílias busquem suporte psicológico e de outras pessoas que já estejam enfrentando a microcefalia, uma vez que é uma condição que implica em todo um estilo de vida diferenciado.

Gostou do texto? Compartilhe sua opinião com a gente através dos comentários.

Leia também: Síndrome da cabeça explosiva