Infarto do Miocárdio – Conheça os sintomas

As emoções e reviravoltas da Copa do Mundo aumentam consideravelmente o risco de infartos. Quem diz isso não é apenas o senso comum – uma pesquisa recente da Universidade de São Paulo mostrou que os índices de internações por infarto do miocárdio aumentam até 48,2% em época de Mundial. A porcentagem de mortes pelo mesmo motivo cresce 8,4%.

Mas afinal, o que é, de fato, um infarto? E o que a ansiedade e emoções mais fortes têm a ver com isso?

Infarto – o que é a por que acontece?

O coração possui duas artérias, também conhecidas como artérias coronárias, uma do lado esquerdo e outra do lado direito. A função de ambas é levar oxigênio e nutrientes para o músculo cardíaco através do fluxo sanguíneo, garantindo o funcionamento do órgão. Com o passar dos anos, devido a diversos fatores motivados por maus hábitos alimentares e sedentarismo, essas artérias vão sendo obstruídas por placas de gordura.

Artérias coronárias direita e esquerda são responsáveis pela irrigação do miocárdio, nome oficial do músculo cardíaco – a “parede” do coração.

Artérias coronárias direita e esquerda são responsáveis pela irrigação do miocárdio, nome oficial do músculo cardíaco – a “parede” do coração.

Quando uma parte muito grande desses caminhos é obstruída – estima-se que os primeiros sintomas comecem a aparecer quando as placas de gordura tomam cerca de 30% de pelo menos uma das coronárias – essas placas se rompem e ocorre a formação de pequenos blocos sólidos de sangue, os coágulos, que por sua vez obstruem totalmente a artéria de maneira abrupta, causando o infarto do miocárdio, popularmente conhecido como ataque cardíaco. Sem sangue e, consequentemente, sem oxigênio, parte do tecido muscular morre.

Artérias obstruídas, á longo prazo, geram coágulos. Sem espaço para passagem do sangue, parte do coração acaba não sendo irrigada e o tecido muscular morre.

Artérias obstruídas, á longo prazo, geram coágulos. Sem espaço para passagem do sangue, parte do coração acaba não sendo irrigada e o tecido muscular morre.

E as emoções com isso?

Quando o ser humano passa por emoções fortes – como um susto, um perigo ou uma final de Copa do Mundo, por exemplo – as glândulas suprarrenais liberam um hormônio chamado adrenalina. Assim que cai na corrente sanguínea, essa substância prepara o corpo para lidar com uma situação extrema, como uma fuga, e aumenta a frequência dos batimentos cardíacos e a contração dos vasos sanguíneos, garantindo que mais sangue seja bombeado para os músculos e outros órgãos vitais.

Glândula localizada logo acima dos rins libera o hormônio da adrenalina, que gera reações preparatórias para que o corpo todo esteja pronto para uma fuga ou luta – o que inclui o coração.

Glândula localizada logo acima dos rins libera o hormônio da adrenalina, que gera reações preparatórias para que o corpo todo esteja pronto para uma fuga ou luta – o que inclui o coração.

Por conta de toda essa atividade intensa, o coração necessita de mais oxigênio quando a adrenalina entra em jogo. Se as artérias coronárias já estiverem parcialmente obstruídas, não haverá sangue suficiente para irrigar o músculo cardíaco, causando o infarto.

Sinais e sintomas de infarto

Dor que começa no estômago ou no centro do peito e se espalha para o braço esquerdo e para a parte superior das costas, próximo aos ombros, pode ser sinal de infarto.

Dor que começa no estômago ou no centro do peito e se espalha para o braço esquerdo e para a parte superior das costas, próximo aos ombros, pode ser sinal de infarto.

Os sintomas de infarto são muito sutis e variam de pessoa para pessoa, por isso a identificação do ataque é tão complicada. Além disso, estima-se que uma a cada três pessoas que sofrem um infarto não tem nenhum tipo de sintoma, o que aumenta a importância de fazer um check-up pelo menos uma vez por ano.

Quando o infarto é sintomático, os sinais mais comuns são:

• Sensação de ardência no centro do peito, muito semelhante à azia;

• Sensação de compressão no peito, com intensidade variável, oscilando entre fraca e forte;

• Suor frio, acompanhado de tontura, náuseas e vômito;

• Sintomas típicos de Síndrome do Pânico, como ansiedade, agitação, pavor e sensação de morte iminente;

• Palpitações;

• Falta de ar;

• Dores em diversas partes do corpo: No centro do peito que se espalha para o braço esquerdo; na mandíbula, acompanhada de sensação de garganta fechada; nas costas e ombros; no estômago, junto com sensação de indigestão. 

Muito característica, dor do infarto tende a se espalhar para o lado esquerdo do corpo. Formigamento no braço também pode ser um sinal.

Muito característica, dor do infarto tende a se espalhar para o lado esquerdo do corpo. Formigamento no braço também pode ser um sinal.

Curiosamente, os sintomas tendem a ser mais discretos nas mulheres. Em geral, os sinais do infarto feminino se limitam a fadiga intensa, dor na boca do estômago e fortes náuseas. Por acharem que o quadro é típico de uma doença inofensiva, muitas vítimas não procuram ajuda profissional. Em alguns casos, até mesmo os médicos tem dificuldade em identificar o ataque cardíaco. Não é à toa que os índices de morte de pacientes do sexo feminino por infarto chegam a ser até 6% maiores que os de pacientes do sexo masculino. Entretanto, pesquisas indicam que os homens são mais propensos a desenvolver problemas cardíacos. Portanto, diante da menor suspeita de infarto, procure um médico.

Primeiros socorros em caso de infarto

Caso presencie alguém tendo um infarto do miocárdio, proceda da seguinte maneira:

Leve a vítima para o hospital imediatamente ou, se não for possível, ligue para o serviço de emergência (Samu: 192. O Siate não deve ser chamado em caso de infarto);

•Mantenha a vítima numa posição confortável;

Mantenha a calma. Deixar a vítima mais nervosa só irá piorar a situação;

• Livre a vítima de qualquer roupa apertada. Isso inclui abrir cintos e botões;

Se a vítima nunca teve um infarto e não possui alergia, dê dois comprimidos de aspirina para serem mastigados. A aspirina inibe a coagulação sanguínea;

Se a vítima já tem um histórico de infarto, é provável que o cardiologista responsável tenha receitado comprimidos de nitrato para eventualidades e emergências;

• Caso a vítima entre em parada cardíaca, comece os processos de reanimação. O vídeo abaixo ensina como proceder em caso de infarto:

O Blog da Florence tem um post recente sobre noções de primeiros socorros para várias situações. Confira. 

Em caso de parada cardíaca causada por infarto, o procedimento de reanimação mais correto é a massagem cardíaca.

Em caso de parada cardíaca causada por infarto, o procedimento de reanimação mais correto é a massagem cardíaca.

 

Como prevenir um infarto

 

Estudos recentes comprovam que a maçã é uma grande aliada da prevenção ao infarto. A fruta tem efeito semelhante ao da estatina, droga prescrita para inibir o colesterol.

Estudos recentes comprovam que a maçã é uma grande aliada da prevenção ao infarto. A fruta tem efeito semelhante ao da estatina, droga prescrita para inibir o colesterol.


Por estar intimamente relacionado com acúmulo de gordura no organismo, o infarto do miocárdio pode ser prevenido apenas com um estilo de vida saudável. A prevenção pode (e deve!) ser feita, inclusive, por quem já teve um ataque cardíaco no passado.

Algumas medidas que podem diminuir o risco de infarto são:

Tenha uma alimentação saudável. Grande parte das doenças pode ser prevenida com a adoção de uma dieta balanceada. As mudanças não precisam ser radicais e nem repentinas. Medidas simples como adicionar verduras, legumes e frutas ao cardápio semanal, trocar a carne vermelha por carne branca (peixes e aves) pelo menos três vezes por semana, optar pela versão desnatada de derivados do leite (iogurte e queijo, por exemplo) e pela integral de pães e arroz já pode diminuir muito a possibilidade de sofrer um infarto;

• Cuide do colesterol. A substância reveste as membranas das células é produzida pelo fígado e pela alimentação. O HDL, colesterol bom, ajuda a limpar as artérias e vasos sanguíneos. Mas o LDL, considerado o colesterol ruim, em excesso, pode ser um agravante para os riscos de sofrer um infarto ou derrame cerebral. Faça exames regulares para acompanhar os níveis de colesterol no organismo. A soma de HDL e LDL não deve ultrapassar os 200 miligramas por decilitro de sangue (mg/dl);

• Pratique atividades físicas. E nem precisa investir muito tempo e dinheiro numa academia ou treinamento mais elaborado. Só o ato de caminhar meia hora por dia reduz os riscos de um ataque cardíaco em até 40%;

Mudanças simples como ir caminhando ou de bicicleta para o trabalho podem ter grande impacto no combate ao infarto do miocárdio.

Mudanças simples como ir caminhando ou de bicicleta para o trabalho podem ter grande impacto no combate ao infarto do miocárdio.

 

• Durma bem. Descansar menos de 8 horas por noite, á longo prazo, faz com que o cérebro libere vários hormônios e substâncias que podem aumentar em até 48% o risco de infarto. A falta de sono crônica também pode ocasionar um crescimento de até 15% nas chances de sofrer um AVC;

• Fique de olho no estresse e na depressão. Já deu para ver que o emocional tem grande influência no risco de ataque cardíaco. Não deixe de tomar os remédios necessários, consultar regularmente sua equipe médica e pegar um pouco mais leve nas responsabilidades diárias se for preciso. Sua saúde deve ser prioridade!

• Pare de fumar. O cigarro é um dos maiores vilões do coração. Pessoas que fumam pelo menos meia carteira por dia aumentam o risco de infarto em até 50%;

• Atenção com a quantidade de álcool. Homens não devem ingerir mais de 30 gramas de etanol por dia, o equivalente a duas latas de cerveja OU duas taças de vinho OU 3 doses de 30ml de destilado. Já para as mulheres, a quantidade máxima recomendada é 15 gramas de etanol por dia, exatamente metade da recomendada para homens. Além de serem extremamente calóricas, bebidas alcóolicas aumentam os níveis de ácido úrico, substância que prejudica as articulações, e de glicemia, responsável pelo desenvolvimento de diabetes – duas condições que aumentam consideravelmente o risco de infarto.

• Tome cuidado redobrado se estiver nos grupos de risco. Pessoas com histórico familiar de doenças cardiovasculares, com mais de 60 anos, hipertensas, que estão com sobrepeso, sedentárias, portadoras de diabetes, estressadas, deprimidas ou que estejam com taxas de colesterol acima do normal tem mais chances de sofrer um infarto. Consulte seu médico e tenha disciplina com o tratamento recomendado.

Seguindo essas dicas e fazendo exames complementares com frequência, é possível aumentar sua qualidade de vida e reduzir muito significativamente o risco de sofrer um infarto. Quanto às Copas do Mundo, o segredo é manter a calma. Mantendo uma vida saudável, sempre haverá um próximo jogo para torcer.

Quer saber mais a respeito, temos uma seleção de livros para você aprofundar seus conhecimentos!