emagrecer

Está mais difícil ser magro agora do que século passado

O grande desafio para a ciência, neste século, é entender por qual motivo a população mundial está com o IMC 2,3 pontos mais altos do que na década de 1980.

Este resultado foi o que apontou uma pesquisa publicada na revista Obesity Research & Clinical Practice. O estudo levou em conta hábitos alimentares de 36.4000 norte-americanos, e hábitos de atividades físicas com quase 14.200 pessoas, entre 1971 e 2008.

Os resultados apontaram que o consumo de carboidratos e de calorias, entre a década de 70 e os anos 2000 aumentou entre a 10 e 14%. Já o consumo de gordura e proteínas.

  • Ingestão calórica e consumo de carboidratos:

1970 – 2000 Aumento entre 10 e 14%
  • Consumo de gordura e proteína:

1988 – 2006 Diminuiu entre 5 e 9%

 

  • Frequência de atividade física:

1988 – 2006 Aumentou entre 47 e 120%

 

Com esses números, a pesquisa revela que em 2006, uma pessoa ingeria a mesma quantidade de calorias e pratica atividades físicas da mesma forma que as pessoas em 1988 faziam, porém, com um aumento de 2,3 pontos no Índice de Massa Corporal.

 

Mas por que estamos engordando? – Mudanças da vida moderna

Segundo a professora de cinesiologia e ciência da saúde na Universidade de York, no Canadá, Jennifer Kuk, há três fatores que contribuem para o ganho de peso nesta geração:

  • Consumo de produtos industrializadosconsumo de produtos industrializados

Com a correria diária dos tempos modernos, cozinhar alimentos naturais é mais difícil e pode ser mais demorado. Portanto, as pessoas aumentaram seu consumo de produtos industrializados, ficando expostas à produtos químicos danosos ao organismo, como pesticidas e substâncias perigosas ao organismo, presentes nas embalagens de alimentos.

  • Uso abusivo de medicamentos

Antidepressivos, ansiolíticos e estabilizadores de humor lideram a lista dos remédios mais consumidos neste século. Alguns remédios que são compostos por ácido valpróico e o lítio, aumentam o apetite, causando o ganho descontrolado de peso.

  • Mudanças no organismo

Em nosso organismo estão presentes inúmeras bactérias que são responsáveis pelo funcionamento dos órgãos. No intestino, por exemplo, segunda a professora Kuk, estas bactérias podem ter sofrido alguma mutação genética proveniente dos nossos novos hábitos, confundindo e desregulando o processo de absorção de alguns nutrientes, causando deficiência ou excesso deles.

  •    Sedentarismosedetarismo

Antigamente, não havia tantas opções de locomoção como temos hoje. Hoje fazemos tudo com o carro, taxi ou ônibus e ficamos praticamente o dia todo sentados, digitando. No século passado, as pessoas gastavam mais energia, pois caminhavam mais para irem de um lugar a outro. Hoje, além de praticarmos menos atividades físicas, tudo está mais fácil: em vez de trocar a macha do carro, hoje eles são automáticos; antes de usar a maçaneta e fazer força para abrir o vidro, hoje eles são elétricos; em vez de levantar para mudar o canal da TV ou aumentar o volume, hoje há controle remoto.

 

A agilidade que a tecnologia nos trouxe é uma imensidão de conforto, porém precisamos reaprender que certos hábitos jamais devem ser perdidos. Voltar à “moda antiga”, como caminhar mais e cozinhar mais, é apenas um deles.

 

Leia também sobre Depressão no ambiente de trabalho