15-10-2015 15-16-05

Um relato de experiência com o câncer de mama

A apresentadora Victoria Derbyshire da BBC criou um vlog na internet para apresentar novas perspectivas sobre o enfrentamento do câncer de mama. A jornalista descobriu que estava com a doença no final de julho e fez a mastectomia – um dos procedimentos para retirada do câncer – já em setembro. Toda essa bagagem contribuiu para que, em formato de diário, ela lançasse vídeos fazendo reflexões e falando sobre as verdades e mentiras do tratamento

“Esta manhã eu tinha câncer de mama. Esta noite já não tenho mais.” Desta forma impactante, ela começa o vídeo que busca, através da emoção, dar esperança às mulheres em tratamento, ao invés de medo e desinformação.

Um dos fatores presentes na sua fala é o sentimento constante de luta contra algo depreciativo. Ela comenta que, sim, cada pessoa tem uma história diferente e uma forma de lidar com todo o problema. Mas que ela, em especial, não se sentiu em uma batalha contra a doença, mas sim em processo de tratamento, como em qualquer outra doença adquirida.

Ela ressalta ainda que, se encarado desta forma, as mulheres passam a enxergar a cirurgia de retirada do seio como algo necessário e factível. Não desconsiderando o processo de readaptação com o novo corpo, que é uma etapa difícil do tratamento.

Confira o vídeo, clicando aqui.

“Eu sei que todo mundo é diferente no seu diagnóstico e na forma de lidar com ele. Sei que todo câncer é diferente e a experiência também. Mas essa é a minha, e espero ter contribuído para a sua”. Derbyshire passou pelo procedimento através do sistema público britânico e afirma ter sido bem tratada e estar encantada com o profissionalismo e o humanismo dos enfermeiros e médicos.

No SUS

No Brasil, há um mito de que descobrir o câncer de mama sem ter plano de saúde é uma sentença fatal. Mas engana-se quem pensa assim. O Sistema Único de Saúde conta com diversos programas para mulheres que descobriram a doença.

Entre eles está o SISMAMA – Sistema de Informação do Câncer de Mama, que é um facilitador na organização de diversas ações em todo o território nacional, porque gerencia dados como a oferta de mamografias para o público alvo, avalia a qualidade da aplicação do exame, o diagnóstico e o acompanhamento ao longo do tratamento.

Outro é o Programa Nacional de qualidade em mamografia, que tem por objetivo aprimorar a distribuição e a execução do exame. Ambos são apenas alguns exemplos dos programas que recebem incentivo fiscal do Governo Federal e são administrados pelo Ministério da Saúde.

Gostaria de contar a sua história? Entre em contato com a gente através dos comentários.

Se você gostou desse texto, vai gostar de: Relação entre o câncer de mama e a menopausa.