Você conhece o vírus da Chicungunha?

Transmitido pelo mesmo mosquito da dengue, o Aedes aegypti, o vírus da Chicungunha foi descrito somente em 1952 e seus surtos geralmente caminham junto aos da dengue. Os estados do Nordeste brasileiro entraram em alerta logo após Pernambuco registrar 16 casos da doença. Epidemiologistas apontam que, uma vez consolidada, a doença atingirá em média 30% da população da região.

Disseminação do vírus

Há cerca de cinco mil anos, uma onda de superaquecimento causou grandes problemas de seca na África, fazendo com que as espécies do Aedes se adaptassem aos locais onde humanos guardavam água.

Com a escravidão, os mosquitos começaram a se espalhar pelo mundo e os primeiros surtos de Chicungunha aconteceram. Pandemias e epidemias na África, Ásia e América, geralmente associadas à dengue, uma vez que o vírus só foi registrado na década de 50.

A fácil disseminação acontece pelos mesmos motivos da dengue. O hábito do ser humano em acumular lixo e deixar água parada facilita a reprodução do mosquito da Aedes. Há casos em que o humano contrai não só uma, mas as duas doenças.

Sintomas da doença

A febre alta, acima dos 39° e as dores em articulações, principalmente de mãos e pés, são os principais sintomas. O período médio de incubação do vírus é de 3 a 7 dias, depois disso, alguns sintomas começam a se manifestar: cefaleia, náuseas, vermelhidão e vômitos. O tratamento é feito através de repouso, hidratação e analgésicos. A cura vem no período de 7 a 10 dias, mas as dores em articulações podem perdurar até 1 ano depois da contração.

Mobilização em Pernambuco

shutterstock_313250744

Ao todo, a Secretaria Estadual de Saúde do Pernambuco já registrou 216 pessoas com os sintomas da doença neste ano. Com a notificação dos 13 novos enfermos, a SES está organizando ações de bloqueios nos municípios atingidos para evitar a disseminação. Tais ações vão desde visitas às casas de moradores, até uso de carros fumacê para matar o mosquito.